Archive for 01/06/08 - 01/07/08

Mastered Negima – Lives 30

Por Lilian Kate Mazaki

Olah a todos! Hoje um post muito esperado!(por mim pelo menos ^^’’’): o último capítulos de Lives!
Bem, devo logo alerta-los que talvez o final seja diferente do que muitos podem estar esperando. Alias, já percebi que eu tenho conseguido surpreender muitas vezes com Lives. Mas há um detalhe muito importante aqui: Lives é apenas a primeira “saga” de Mastered Negima. Então, estejam logo avisados de que esse fim está mais para um “até logo!”.
Tah, sem mais enrolação. Vamos ao texto (Depois ainda tem as considerações finais!).


CENA 30: PLANOS QUE FALHAM

- Jovis Tempestas Fulguriens! – berrou Negi lançando a magia com a máxima potência que conseguiu reunir. A rajada de energia foi enorme. Mash teve que esquivar-se para não ser atingido. Em retribuição lançou uma magia chamada ‘Trovão de Thor’ contra o garoto que só esquivou-se porque contava com a vantagem de estar voando no báculo que não perdera agilidade por causa do ataque dimensional do mago sombrio.
- Toma isso seu velhote! – berrou Asuna pulando contra o mago que quase foi pego de surpreso. Porém ainda existiam os oito elementais do raio que Asuna já havia esquecido. A garota foi atingida e arremessada longe antes de encostar em um fio de cabelo sequer do mago. (Se bem que já seria difícil de qualquer maneira já que ele era calvo).
- Asuna! – exclamou Negi preocupado vendo a parceira ter dificuldades de levantar. – ASUNA!
Os elementais não perdoaram o pequeno atraso da ruiva e lançaram-se atacando novamente a garota que não teve como se defender, recebendo os golpes direto e desabando novamente. A garota limpou o sangue que escorria da testa e ajoelhou-se:
- Ora, Asuna.... você é mesmo uma besta! Onde estão seus poderes de anulação quando precisam hein!? – esbravejou contra si mesma.
- Você está bem Asuna? – perguntou Negi voando baixo perto da garota, segurando-se com toda a força no báculo para não cair. Ainda sentia fortes dores que não diminuíam.
- To sim, não se preocupe. Se cuida você! – respondeu ela assumindo postura de batalha. – Alias, Negi, o cara falou que agente caiu num armadilha! O pessoal não vai aparecer pra ajudar agente! – disse Asuna lembrando-se do fato. Mas Negi sorriu.
- Sim, Asuna, eu sei. Mas o fato é que a Pee quebrou a armadilha quando foi atrás da Konoka! Já não existe mais a armadilha! – contou o garoto animado.
- Que!? Mas que droga de mosntros! – reclamou a ruiva defenendo alguns ataques dos elementais que insistiam em atacar. – Quer dizer que o pessoal ta vindo pra cá?!
Negi não respondeu. Apensa sorriu e levantou vôo na direção de Mash que esperava sério:
- Droga.... essa batalha já demorou tempo demais... – disse a si mesmo irritado. Já estava na hora de se reunir novamente a Pee para que parissem em direção a ilha biblioteca. Tentou fazer contato telepático com a garota.
“Querida? Querida? Onde você está?”.
Silêncio.
Mash esquivou-se de outra perigosa rajada de poder de Negi e tentou novamente.
“Querida?? O que houve? Responda!”.
Silêncio.
“Então foi você quem roubou o Chikarasei não foi?”.
“Quê?!”. Mash assustou-se ao ouvir a voz masculina na mente.
“Parece que você andou aprontando bastante sem que soubéssemos Mash Magno.”.
“C-Como?!?”.
- Takamichi! – exclamou Negi do alto do seu báculo. Estavam salvos.
- Diretor! Eva! – exclamou Asuna feliz, porem sendo atingida em seguida pelos elementais e voando alguns metros.
- Hunf... que elementais mais ridículos. – comentou Evageline destruindo-os todos apenas estalando os dedos.
- Não pode ser! – exclamou Mash acuado.
- Negi! – exclamou Kotaro indo até o jovem professor quando ele pousou precariamente no solo devido as dores. – Hei cara! Você teve uma luta e tento e nem pra chamar seu rival aqui pra se divertir!
- Ah.... desculpe Kotaro, foi tudo muito.... argh! R-rápido... – disse Negi sentindo uma pontada no peito.
- Cara! Tu ta bem?! – perguntou o Kuzoku preocupado.
- Você está preso Mash Magno, pelo roubo do amuleto sagrado Chikarasei, a manipulação ilícita de shikigamis , agressão grave contra outros magos e invasão à cidade acadêmica de Mahora. – disse Takahata caminhando calmamente em direção do mago. - E nem adianta tentar fugir, todos os outros professores e alunos mágicos estão de prontidão para detê-lo.
- Ugh... – Mash pareceu perceber que não havia mesmo escapatória. – Tudo culpa da maga branca.... eu não acredito... os meus planos, meu Destino...
- Hunf.... um mago fracassado como você só merece a prisão e a morte. – sentenciou Eva achando nojenta a ridicularidade do mago. – É uma vergonha.
- Você está bem Negi? – perguntou Konoemon Konoe vendo o estado do menino.
- Não muito diretor, mas creio que a...
- Konoka! Setsuna! – exclamou Asuna acenando para as duas que sorriram mas instintivamente afastaram-se ao ver o diretor. Já tinham passado por emoções demais naquela semana para ainda ter mais uma, a de encarar o velho para contar sobre o relacionamento delas. (Relacionamento?! Não é mais só o “quase alguma coisa”?!).
- Asuna! Como o Negi está? – perguntou Konoka que havia percebido da alameda das cerejeiras o grave dano que o jovem sofrera.
- Então você percebeu mesmo o que aconteceu na luta?! – impressionou-se a ruiva. – Mas..... e a Pee? – perguntou com um tom muito mais sério.
- “Pee”? – estranhou Kotaro sabendo de quem se tratava.
Setsuna mostrou para a amiga o amuleto Chikarasei que estava guardando no bolso. Asuna soltou uma exclamação ao ver o artefato:
- Então.... finalmente acabou né? – perguntou só para ter certeza, afinal já sabia que podia esperar qualquer coisa da shikigami.
- É. Acabou. – confirmou a shinmei com um inegável tom de alivio.
- Querida.... – lamentou-se Mash com tristeza na voz.
- Acho que vocês quatro vão ter muito que me explicar amanhã no meu escritório. – disse Konoemon para o quarteto principal. Os quatro engoliram em seco.
- Sem problemas vovô!






Uma hora depois a praça sudoeste já começava a ser povoada novamente por estudantes procurando um lugar tranqüilo no final daquela tarde de final de Novembro. Os estragos da batalha de mais cedo já haviam desaparecido por completo.
Negi Springfield, Asuna Kagurazaka, Konoka Konoe, Setsuna Sakurazaki e Korato Inugami caminhavam distraídos em conversas. O hanyou estava curioso para saber de todos os detalhes do que havia acontecido, parecia frustrado por ter perdido a chance de batalhar:
- Caraca.... então quer dizer que a Setsuna-P passou a existir graças ao Chikarasei?! Uau....
- Pois é né? Eu também achei maior maluquice quando vi a Pee vivinha! – comentou Asuna que era quem estava contando a história para o garoto.
- A Pee era mesmo um shikigami muito diferente dos outros... – comentou Negi.
- Deve ser porque era diferente desde sua criação. Eu a ganhei da mestra do estilo shinmei de presente. Um material especial para shikigamis. – contou Setsuna.
- Hi.... - Konoka parecia nem saber onde estava, feliz da vida andando de mãos dadas com seu anjo querido.
- Er... Kono-chan.... – disse a espadachim corando diante da situação. Negi sorriu achando graça.
- Há! Aquela fuinha tarada foi inventar de “sair para assuntos pessoais” e perdeu essa! Quero só ver a cara dele quando souber de tudo o que aconteceu! Quem mandou sair por ai pra comprar calcinha! – riu-se Asuna.
- Será que foi pra isso que o Kamo.... – ia perguntando Negi quando pisou em um pedaço dobrado de papel no chão que chamou atenção. Isso porque era naquela posição que Mash estava durante a luta.
- Que foi Negi? – perguntou Kotaro estranhando a cara do outro.
- Mas... o que é isso? – perguntou o professor-mago catando o papel.
- Você e essa sua mania de ver coisa onde não tem Negi. Deve ser só um papel qualquer que algum estudante deixou cair... – disse Asuna achando graça da cara séria do garoto. Mas ao invés de confirmar as suspeitas a expressão de Negi passou de curioso pra totalmente estupefato numa velocidade impressionante. – Pirralho?! Que cara é essa?
- O que é essa papel Negi-sensei? – perguntou Setsuna que também havia se tocado do detalhe de que era ali que Mash estava antes.
- O.... Sr. Magno disse que tinha vindo Mahora para procurar uma fonte de poder que meu pai havia escondido a muito tempo não foi? – perguntou o garoto parecendo prestes a sair voando de ansiedade, sem tirar os olhos do papel.
- Hã? Acho que foi, porque? – questionou Asuna curiosa agora. Todos foram para as costas do mago para ver o que havia no papel.
Era um mapa. E era do interior da ilha biblioteca. Haviam inscrições de passagens secretas que nem mesmo Konoka que fazia parte do clube de exploração conhecia. E no final dos caminhos indicados havia um retângulo meio torto e as seguintes palavras:
Está aqui.
Nagi Springfield

- Foi o pai do Negi que fez esse mapa?! – surpreendeu-se Kotaro.
- Perae... – disse Asuna entendendo no que aquilo ia dar. – Negi você ta achando que isso é....
- UMA PISTA!!!!! – berrou o jovem Springfield disparando numa corrida para todos os lados levando o mapa bem seguro na mão. – HAHAHAHAHAHA!!! UMA PISTA DO MEU PAI!!!!!
- Eita! O que deu nele!? – espantou-se Kotaro(*gota*).
- Essa não..... lá vai tudo de novo.... – lamentou-se Asuna. Haviam voltado definitivamente ao ponto inicial.
- Parece que ainda vamos ter mais emoções antes do ano novo né Set-chan? – perguntou Konoka ainda segurando a mão da espadachim e encostando-se no seu ombro.
- Pelo visto... – concordou a uzoku distraída, tanto pela proximidade de Konoka quanto pelos seus pensamentos. – Em pensar que essa é só o inicio...
- Como assim Set-chan? – perguntou a quase-maga branca.
- É que.... ainda vai acontecer tanta coisa... – respondeu Setsuna corando encarando a garota quase pendurada em si.
- É né.... com a gente também né?
- Er.... é sim Kono-chan.
Setsuna era mesmo irresistivelmente fofa quando ficava sem jeito. Konoka não resistiu e roubou um rápido beijo antes de solta-la:
- K-Ko-Kono-Chan!? – espantou-se Setsuna corando violentamente quando Konoka começou a fugir pela praça. – Ei! Volte aqui!
Kotaro ficou sozinho observando a maluquice daqueles quatro.
“É.... parece que esses vão ser um bons dias!”.






AGRADECIMENTOS FINAIS

Puxa vida! Mastered Negima Lives chegou ao fim! E agora? O que dizer? Bom, tem muitas coisas na verdade que eu gostaria de dizer. (“Eita! Olha o discurso ae!” como diria a consciência bem inconveniente de Setsuna).
Bom, eu gostaria de agradecer a algumas pessoas. Primeiramente as outras duas autoras da “Trindade Konosetsu” pela inspiração e apoio: Milk e Se-chan. Valeu garotas! Obrigado por terem aberto uma vaguinha pra mais uma nessa dupla que virou trio! Obrigada mesmo! Ah, e um obrigada muito especial pra Se-chan que lançou Lives primeiro no seu blog. Foi uma honra ter meu fic publicado no Kono Ai Setsu. Graças a isso muitas pessoas puderam conhecer esse meu trabalho. Obrigada.
Ah! Um abração muito especial para todos que comentaram e/ou deixaram reviews para os capítulos de Lives! Todos! Todos! Gaby-chan e Horosuke são os primeiros que me ocorrem nesse momento, mas é claro que essa abraço é para todo mundo que leu Lives. Alias, um abraço ainda mais especial no meu leitor Beta Rerisson! Valeu Rerisson! Valeu pessoal! Afinal, os escritores não são ninguém sem seus leitores!

Mas.... depois da seção de “rasgação de ceda” o quer dizer? Bem, foi uma grande honra para mim trabalhar com os personagens de Negima! e também tem um viva especial para a Setsuna-P. tenho certeza de que como eu, todos que leram se apaixonaram pela Setsuna-Perva e a odiaram também. Ela é com certeza um personagem marcante que fica na minha vida e espero que na de todos que leram também.
Nossa! Mas eu estou aqui falando como se estivesse me aposentando ou como se tivéssemos mesmo chegado ao fim da estória! Ora! Claro que não é quero terminar esse texto sem fim (como todos os que escrevo) com essa notícia mais do que boa!
Mastered Negima não chegou ao fim!
“Não?!”
Não mesmo! Esse foi apenas o fim da primeira fase de MN(mastered negima, tah?!), Lives. Mas a saga ainda está só no começo! Ou vocês não leram quando a Setsuna disse isso na ultima cena?! Sim! É verdade! Mastered Negima está só no começo!
Guardem esse nome porque é o nome da próxima fase desse fic mais do que gigante e emocionante: Heart. Podem ter certeza que é só a faculdade dá uma aliviada que eu vou cair de cabeça e escrever Heart com todo o coração pra vocês!(nossa, mas que trocadilho mais ridículo né?!)
Ou vocês achavam mesmo que ia ficar por isso mesmo? Só no “quase alguma coisa”? Ora caros amigos, esperem e voces ainda verão muita emoção em Mastered Negima, eu prometo! Muito mais Konosetsu, muitas outras batalhas (ainda mais ferozes do que um Set VS. Set-P!) e muitas outras pistas!
Bom, é isso. Vou indo porque a vida é uma corrida sem fim até a absoluta felicidade! E eu acho q já to na pista certa pra chegar a ela! E vocês? Espero que sim!
Abraços, mais uma vez obrigada.
Espero encontra-los em Heart!
E como eu sempre digo:

Matta ne!
quarta-feira, 11 de junho de 2008
Posted by LKMazaki

Mastered Negima - Lives 29

Por Lilian Kate Mazaki

Olah a todos!!! Com uma semana de atraso eu tô finalmente postando o penúltimo capítulo de Lives.
Se o capítulo anterior foi recheado de batalhas, este com certeza é ainda mais recheado de emoções. Mas, sem mais enrolação. Vamos a fic:


CENA 29: O AMOR



“Eu sabia.” pensou Mash Magno enquanto observava Asuna Kagurazaka socorrendo seu parceiro que ainda parecia muito abalado com o golpe que recebera. “Será que ela planejara isso também? Seriam os magos brancos tão astutos assim?” questionava-se o mago. Virou o olhar para ver a figura distante de Setsuna Sakurazaki desacordada, presa pela barreira que ele havia projetado. “Estava tudo dando certo, mas.... ele devia ter previsto aquilo.”.
Estava tudo planejado para que ele entrasse e saísse de Mahora sem ser detectado pelos magos protetores do lugar. A barreira, os jovens sendo imobilizados, Pee vencendo Setsuna. tudo seria perfeito. Só existia uma possibilidade de aquilo dar errado, uma única possibilidade que havia se tornado a realidade.
Fato é que a única maneira e quebrar da barreira seria se alguém naquela batalha saísse do campo de ação no meio da luta, sem esperar que o mago tivesse preparado a magia para que a barreira não se desfizesse. Exatamente o que Pee acabara e fazer ao partir atrás da presença da magia de Konoka que parecia parada, sozinha em alguma parte deserta da cidade. Não, não era natural que a maga estivesse tão assim a mercê se.... ela não o estivesse fazendo de propósito. Afinal, esse seria o único engodo que faria Pee esquecer-se da recomendação de não deixar a barreira antes da hora certa. Só assim.... a única maneira.
- Ponto para você, jovem Konoka Konoe. Não é a toa que seu destino é dirigir a Associação de Magia de Kansai e ser um dos diretores da Associação de Magia e Kanto. – disse o mago a si mesmo num tom de quem acha graça. – Você me impressionou, mas... ainda não acabou.





Pee encarava Konoka com uma euforia que quase escapava pelos seus poros. Havia vencido. Havia conquistado o direito de existir, o direito de ter a maga para si. Mal conseguia acreditar que estava vivendo aquele momento. O momento pelo qual esperara por toda a sua existência. O momento de se tornar Setsuna Sakurazaki:
- Finalmente... finalmente... – dizia meio perdida nas palavras, afinal esperara tanto que mal sabia como agir. – Eu... finalmente... posso ser real...
Konoka apenas observava as reações da ex-shikigami. Tinha que ter muita cautela agora, pois aquele era o momento mais delicado pelo qual teria que passar naquela confusão toda causada pela ex-serva. Teria que ser cautelosa e ao mesmo tempo precisa se quisesse conseguir o que pretendia:
- Eu... preciso te dizer tanta coisa... Kono-chan. – dizia Pee com a voz meio embargada pela emoção. Caminhou até a maga que ficou mais tensa, mas não demonstrou. A espadachim pelo menos não carregava sua espada, devia ter deixado no meio do caminho, tamanha a sua pressa de encontrar-se com ela.
Inesperadamente, porém, Konoka se viu abraçada por Pee. Não um abraço como uma armadilha para que ela não fugisse, mas um abraço carinhoso, meio tímido e até frágil. Pee encostou a cabeça no ombro da maga que tremeu ao contato. Podia sentir o sentimento da quase-garota emanando, não algo obsessivo como das outras vezes, era um sentimento diferente. Malditos magos brancos! Por que tem que ser tão sensíveis a essas coisas?! Por que ela estava tremendo à proximidade da ex-shikigami?!
- Kono-chan... eu... estou tão feliz...
A respiração de Konoka estava acelerada. Aquilo era verdade, Pee estava feliz. Aquilo fazia doer o coração da maga. Por que as coisas tem que ser difíceis assim?!
- Não.... me chame de “Kono-chan”.... Pee. – disse com a voz fraca e a quase-garota separou-se um pouco para encara-la.
- Mas... eu.... você não pode.... – dizia meio sem nexo. Era visível o súbito medo nos olhos da garota.
- Pee.... eu não posso.... você não entende, isso é errado. Eu... – disse Konoka sem conseguir completar a frase. Não sabia até onde a outra poderia agüentar ouvir sem sair do controle. Apesar da dor no peito, a curandeira não abalou sua expressão. O que devia ser feito, déia ser feito.
- Não diga isso! – exclamou Pee horrorizada, uma lágrima escorreu pelo rosto dela. Nunca a Konoe havia visto uma expressão tão oposta ao típico sorriso malandro no rosto da shikigami. – Você não pode me dizer isso depois de tudo!
- Tudo? – repetiu Konoka sem conseguir disfarçar completamente o tom de dó. – Mas Pee.... foi você quem começou isso.... Eu.... nunca disse que queria a mesma coisa... muito pelo contrário, eu...
- NÃO! – berrou Pee calando a outra que se encolheu ligeiramente, ainda presa nos braços desta. – Não! Eu fiz tudo isso por você! Você não pode me dizer isso agora! Não pode!
Konoka engoliu em seco:
- Mas.... eu não pedi nada disso. Eu te disse várias vezes!
O silêncio caiu sobre elas durante um minuto inteiro. Elas apenas se encararam. As lágrimas escorriam pelo rosto de Pee porque ela podia enxergar a verdade das palavras de Konoka nos seu olhar firme e determinado. Mas de onde vinha aquela determinação? Nunca havia visto ela nos olhos da quase-maga.... seria tudo por causa dela? De Setsuna? Esse pensamento doía ainda mais no peito dela:
- Pee... eu amo a...
Mas Konoka não teve como terminar a frase. Pee beijou-a antes disso. O coração da maga disparou com aquele contato, os mesmo lábios de sua Set-chan, mas ao mesmo tempo os lábios de um alguém que quase matara sua Set-chan.
Pee persistiu naquele contato prendendo Konoka fortemente contra si. Só aquele calor a fazia sentir melhor diante das palavras tão duram da garota. Aqueles lábios que tanto sonhava tocar. Por fim Konoka conseguiu soltar-se daquele beijo, livrando-se parcialmente dos braços da ex-shikigami:
- Por que? – perguntou Pee encarando Konoka parecendo mais forte depois daquele beijo forçado. – Por que?!
- Pee.... eu.... – tentou argumentar a quase-maga, mas sendo novamente abraçada não conseguiu terminar sua frase.
- Não vê que fiz tudo isso por você?! Não vê que eu só quero existir por sua causa?! – questionou Pee com o rosto colado no de Konoka. – Não vê que eu te amo?! Não vê?!
Konoka ficou sem palavras. Era difícil demais. Não tinha como vencer aquilo. Naquele momento duvidou se conseguiria terminar aquilo.
“Eu.... não posso fazer isso.”.




- Negi, tem certeza que dá pra continuar?! – questionou Asuna aflita ajudando o mago a se levantar. O garoto apoiou-se no ombro da garota quase caindo e ela aparou-o a tempo. Os rostos dos dois ficaram próximos quando ela ajudou a se firmar. O coração da jovem pulou diferente no peito.
- Asuna, nós temos que resistir até que os outros cheguem... – argumentou Negi com a voz fraca, ainda sentia uma dor incomodante no peito e por todo o corpo.
- Mas... – a ruiva não teve como dizer que a ajuda provavelmente não chegaria ao mago tão debilitado.
Negi firmou-se nas pernas e encarou Mash:
- Você não vai conseguir o que deseja Sr. Magno! Desista!
Mash surpreendeu com a resistência que o menino tinha. Era impressionante. Nunca alguém que recebesse seu golpe em cheio havia resistido tanto. Era mesmo o filho do Thousand Master:
Num movimento rápido Negi acumulou uma estranha magia laranja na ponta dos dedos da mão livre. Mash preparou-se para uma defesa quando o mago lançou o poder, mas este desviou e foi na direção de Setsuna, destruindo a armadilha que a prendia. Setsuna despertou como se tivesse recebido energia do mago por aquela magia.
- Mas..... incrível.... – surpreendeu-se Mash. O garoto tinha mais cartas na manga do que ele pensara. – Magia de fortalecimento e magia de destruição de barreiras... muito bom mesmo.
- N-Negi –sensei.... – Setsuna levantou-se ainda muito enfraquecida, apoiando-se em Yuunagi.
- Setsuna... Pee escapou. Você não deve deixar que ela faça algum mal a Konoka. Pode deixar que agente cuida das coisas por aqui. – disse o garoto fazendo uma careta pela dor no peito que parecia querer aumentar.
- Negi... – disse Asuna impressionada com o parceiro.
- ..... Negi-sensei.... – Setsuna encarou os olhos de Negi, mesmo que distante, os dois pareceram poder entender os sentimentos um do outro naquele olhar (“Ei Asuna! Nada de ciúmes agora! Mas que droga...” censurou-se a ruiva ao sentir uma pontada de raiva ndo aquele olhar). Ambos sorriram de maneira determinada. – Obrigada Negi-sensei.
Setsuna partiu na direção da alameda das cerejeiras e Mash nada fez para impedir. Estava estarrecido, aqueles jovens eram muito mais impressionantes do que quaisquer outros que já vira. Era fantástico, não conseguia de achar fascinante observa-los. Era o seu fraco por coisas interessantes agindo:
- Agora acho q é hora agente botar pra quebrar, né Negi? – perguntou Asuna com um sorriso renovado. O garoto sentiu o coração aliviar-se diante daquele sorriso (“Que estranho....” pensou). Sorriu de volta.
- É isso mesmo Asuna. É hora!






- Pee.... eu.... eu...
Konoka estava ali, presa pelo abraço e pelo amor sincero de Setsuna-P. Estava atordoada, confusa. Questionando-se o porquê de a vida ter lhe metido numa armadilha dessas. Como era difícil fazer a coisa certa:
- Por favor.... – começou Pee com a voz cortada. – Apenas.... me ame.... é tudo o que eu preciso... é tudo o que eu quero...
As palavras da ex-shikigami pesavam toneladas no coração de Konoka. Mas que triste.... a vida era mesmo algo muito torto e maluco, tinha que concordar com essas geniais palavras de Asuna,não tinham outras que expressasem melhor o que ela sentia naquele momento.
Mas.... o que devia ser feito.... devia ser feito:
- Eu.... não posso.
- O que?! – Pee tirou o rosto do da maga encarando-a com um terror expresso. – O que está dizendo!?!
- Eu não posso te amar Pee.
- Não diga isso! Não diga! Por favor! – implorou a quase-garota desesperada. Como uma shikigami que parecia tão fria poderia ter se tornado de repente tão frágil?
- Não posso. - repetia Konoka coma voz imparcial. Como aquilo lhe custava, mas era o certo. Era a única alternativa, não havia como ser diferente. – Eu amo a Set-chan.... eu não posso amar mais ninguém que não seja ela... mesmo que seja você.
Pee encarou os olhos determinados da curandeira sentindo uma dor horrível. Como doía. Era pior que qualquer outra dor que experimentara na sua curta vida até ali. Baixou os olhos sentindo as lágrimas escorrerem pelo seu rosto, sentido aquela dor que parecia não ter fim:
- Não........ não..........
- Eu.... sinto muito Pee. – disse Konoka sendo sincera. Sentia-se muito mal pela shikigami, pelo que passara, pelo destino que tinha. Era um remorso do qual provavelmente nunca se livraria.
- Isso.... dói tanto.... dói tanto...
- Só existe um meio de fazer isso parar. E você sabe disso Pee. – disse Konoka com a dor expressa na face. A quase-garota encarou-a.
- Faça isso parar.... dói demais... – pediu ofegando. – Faça parar... só você pode... porque.... foi você que fez ela surgir...
Konoka engoliu em seco e uma lágrima caiu de seus olhos. Sim ela faria parar:
- Eu.... – disse segurando o cordão do Chikarasei firmemente. – Sinto muito.... mesmo.... por favor..... me perdoe. – e arrancou-o.






Setsuna rumou o mais rápido que pode para o lugar e onde sentia vir o poder de Konoka. Era estranho como podia sentir um aperto no peito que parecia não ter nada haver com o medo que sentia pela segurança da “quase-alguma-coisa”.
Ao pousar na alameda das cerejeiras pode ver Konoka, parada sozinha mais a frente. O rosto pálido, parecia fraca. Na mão um amuleto pendendo: o Chikarasei. Aproximou-se de frente para a quase-maga que pareceu incapaz de vê-la até que chegou mais perto:
- Kono-chan? – chamou Setsuna ainda com medo pela expressão tão desolada da amada. Demorou alguns segundos para que Konoka erguesse os olhos e a encarasse.
- Set-chan.... – disse parecendo não sabe o que dizer realmente. Parecia confusa.
- Esta terminado não é? – perguntou a espadachim observando o amuleto pendendo na mão da garota.
- É.... – concordou Konoka sem parar de encarar os olhos de sua protetora. Aqueles sim eram os olhos dela.
- Kono-chan.... sinto muito ter te feito passar por tudo isso.... eu....
Mas Setsuna foi silenciada por uma abraço quase desesperado da curandeira. A shinmei pode sentir o quanto a outra estava desamparada. Abraçou-a fortemente:
- Eu..... sinto muito... – repetiu. Sentia-se culpada demais por tudo aquilo. – Eu.... não queria que isso acontecesse...
- Set-chan.....
As duas permaneceram em silencio por um momento, sentindo apenas a presença uma da outra. Como era confortante aquela sensação de estarem tão perto. Konoka deixou a cabeça cair no ombro da protetora. Era bom demais aquele contato de pois de tudo aquilo. Setsuna abraçou-a ainda mais. Não a soltaria nunca mais. Não queria mais solta-la. Nunca mais sairia de perto dela, era tudo o que sabia naquele momento. Era tudo o que importava na vida:
- Eu te amo Set-chan. – disse Konoka ainda com a voz cortada. Setsuna não conseguiu deter uma lágrima ao ouvir aquilo.
- Eu..... eu também te amo Kono-chan.... você é..... tudo pra mim.... a minha vida.
Porque estava dizendo tudo aquilo Setsuna não sabia, mas sentia que precisava dizer aquelas palavras pra sobreviver. Parecia mais vital que o ar. Sem pensar em mais nada, a espadachim levantou a cabeça e Konoka e beijou-a. Como nunca antes, parecia até que era a primeira vez que provava os lábios da maga. Perdeu-se naquele carinho sem pensar em mais nada. As duas se perderam na verdade. Haviam finalmente despertado daquele terrível pesadelo.
Separaram-se depois de um tempo que não saberiam dizer quanto foi. Olharam-se, parecia que nada havia acontecido afinal, elas estavam juntas, sorrindo, nada mais importava depois disso.
Sim, tudo o que existia no mundo naquele momento era o amor de ambas.
Amor que fazia Konoka sonhar com uma vida diferente da que as pessoas viam para ela. Uma vida mais feliz, mais verdadeira.
Amor que fazia Setsuna entender que só existia por causa de Konoka. Para ama-la. Era tudo o que importava. Porque o que sentia era único.
“Eu amo essa garota.” foi o que ambas pensaram.







Que tal? Muitas emoções não? Mas ainda não terminou! Portanto comentem! Na próxima semana Lives chega ao seu definitivo fim!
Será que sou só eu que estou mais do que ansiosa pra esse final?

Matta ne!
terça-feira, 3 de junho de 2008
Posted by LKMazaki

Translate to your language:

Seguidores

Parceiros

Parceiros | Yuri

Kiyoteru Fansub
Gokigenyou
Moonlight Flowers
S2 Yuri
Yuri Licious
Yuri Private
Yuri Zone

Parceiros | Blogs e Sites

Anikenkai
Chuva de Nanquim
Elfen Lied Brasil
Gyabbo!
Jwave
MangaBa
Mithril
Mundo Mazaki
nbm² - Nobumami
Netoin!
Shoujismo
Você Sabia Anime?

Arquivo do Blog

Popular Post

- Copyright © | Kono - Ai - Setsu | - fonte para yuri, shoujo-ai e girls love desde 2007 -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -