Archive for 01/09/15 - 01/10/15

[Review] A Kiss and White Lily for my Dearest Girl - Volume 01

Você é a aluna queridinha, estudiosa e que sempre fica em primeiro lugar do seu ano nas notas. De repente, quando entra para o ensino médio, você vê alguém superá-la, e isto lhe tira do sério. Talvez neste momento você pense "Esse é o resumo do início de Karekano". Porém, se você não sabe, há uma obra com todo o tom de girls love com este mesmo plot.
Ayaka (esq.) e Yurine no plano de frente. Histórias paralelas em segundo plano.
Estou falando de A Kiss and White Lily for my Dearest Girl (achado também como "Ano Musume ni Kiss to Shirayuri o" ou "A Kiss and a Withe Lily"). E digo para você: se ainda não o leu, está perdendo um dos últimos grandes sucessos do estilo shoujo ai.
Mesmo tendo sido lançado pela revista Comic Alive, que não é voltada exclusivamente para o público lésbico, AnoKiss já terminou de ter o seu terceiro volume fechado lançado, e ainda está bombando na revista.


Criado por Canno (não se acha especificação de sexo da criatura...), AnoKiss é daqueles mangás que contam várias histórias paralelas dentro de um mesmo colégio, este por acaso é feminino. Neste primeiro volume, vemos dois planos diferentes de história. A de foco principal é a de Ayaka Shiramine, a menina estudiosa que falei no início dessa postagem. A criatura que a tira do sério é Yurine Kurosawa, gênio que nunca estuda, fica dormindo em muitos dos quadros que aparece nesse volume, e mesmo preguiçosa, ela tira notas acima de Ayaka, além de ser boa nos esportes também, o que deixa a menina doida querendo superá-la.

Ayaka mal humorada por causa da
Kurosawa stalker, como sempre.
Garota esforçada, Ayaka mostra em meios do volume que tem alguma razão mais séria por trás dessa busca pela perfeição. E essa implicância que ela tem pela Kurosawa não é reciproca, e a outra menina a adora. A verdade é que Yurine adora Shiramine por sua determinação em torná-la um "ser comum", uma garota normal, que não é sempre superior as outras.

E é com essa trama que o climinha começa a aparecer entre as duas, lentamente.

A outra história principal neste primeiro volume do mangá, é a das amigas Mizuki Senoo e Moe Nikaidou. Mizuki é a príncipe da escola, e grande corredora dos 100 metros livres do clube de atletismo, e Moe é da parte administrativa do clube, e não pode competir por problemas físicos (não é especificado o problema). Portanto, durante o ensino fundamental as duas fazem uma promessa: Mizuki iria correr por Moe, enquanto esta iria olhá-la mais do que qualquer para qualquer outra pessoa.

O problema é que quando estão no segundo ano do ensino médio, Moe começa a tentar convencer Kurosawa (sim, a gênio perfeita) de entrar no clube de atletismo, por que tem resultados melhores até do que a Mizuki. Portanto, rola um ciumes da corredora, afinal, a menina iria observá-la para sempre, não é mesmo? E daí que surge o empecilho entre as duas.

Em meio a essas histórias, algumas outras personagens são introduzidas, o que enriquece bastante a trama. E nem comento sobre os outros volumes, pois quero trazê-los em outras resenhas, pois tudo em uma só seria exagero de informação.


Depois que li a obra, fui procurar as informações para trazê-la para o KaS, e não é que me deparo com a surpresa dele ser da mesma revista que publicou Sasameki Koto (Whispered Words)?! Meu amado mangá lindo e seinen que teve uma adaptação bem legalzinha para anime (não sou exigente gente.. XD). A Comic Alive é uma revista de público seinen que é acostumada a trazer trabalhos com conteúdo lésbico, como o citado acima, além da comédia Maria Holic, o queridinho da galera Miss Sunflower e Kampfer.

Como a vida das revistas para o público não está fácil, e quem sobrevive atualmente é (praticamente) somente a Comic Yuri Hime e suas revistas paralelas (graças a Yuru Yuri), ver uma revista aceitar trabalhos assim dá uma nova esperança para o público. Vamos torcer para eles continuarem a aprovar este tipo de mangá, além de apoiar os próximos capítulos de AnoKiss, que está se provando um sucesso constante na revista.


Mesmo brincando com padrões de personagens, como a protagonista tsundere, A Kiss and White Lily for my Dearest Girl consegue mostrar uma ótima profundidade em seus personagens. As protagonistas vão se mostrando cada vez mais interessantes e carismáticas, e os secundários dão conta do recado quando são o foco dos capítulos.

A verdade é que AnoKiss e sua variedade de histórias poderiam gerar dois, três ou quatro volumes one-shots completamente separados, mas o autor resolveu criar uma obra completamente única, complexa e cheia de conteúdo, que lhe deixa sempre interessado em ler o próximo capítulo, para saber se a história atual será fechada, ou se haverá a introdução de mais personagens na trama.
Apesar de tudo o que falei, ainda temos o traço maravilhoso, que me deixa de queixo caído a cada capítulo, com personagens com características bem fixas e charme. Realmente é uma obra de alta qualidade técnica.

Moe (esq.) e Mizuki. São umas lindas. Melhor história~~ (*o*)
E por mais que tudo o que eu tenha dito faça a trama parecer séria, ela sabe nivelar os momentos tensos e dramáticos com uma parcela de humor, aproveitando muito da Ayaka e sua personalidade forte, da Yurine com seu modo meio "cru" de ver as coisas, além da timidez fofa da Mizuki e o jeitinho da Moe.

Como pode ver, ele é muito mais do que recomendado. Um dos melhores mangás que li nos últimos tempos.




O mangá lhe interessou?
Acompanhe nosso parceiro Gokigenyou e terá os capítulos em português na mão. Se é mais ansiosa como eu, pode buscá-lo em inglês no sagrado Dynasty Scans.

E se está curioso sobre informações novinhas do lado yuri da vida, fique ligado no KaS, pois ainda esta semana (provavelmente sábado) trago umas informações sobre um CD drama que vai ser lançado em outubro!

Não se esqueçam de comentar o que acharam dessa dica de mangá!(^.~) Se sabe algum mangá, anime ou série/filme legal para falarmos aqui no blog, nos comuniquem também!
Quero saber se agradei alguém~

Até logo! o/

Entre em contato por:

Animação com conteúdo yuri de Evangelion faz sucesso na internet

Se você acessa o Tumblr e vê tags de yuri ou shoujo ai nele, provavelmente se deparou com a imagem abaixo. Caso não saibam de onde surgiu, estou aqui para informá-los.
Dirigida e escrita por Yuhei Sakuragi, além de design de personagens de Asako Nishida, Neon Genesis IMPACTS foi realizada para o Animator Expo, um projeto que seria um tipo de incentivo para novos animadores criado pelo próprio Hideaki Anno (famoso pelo Evangelion original, todos sabemos). Com duração de pouco mais de 7 minutos, a animação mostra três amigas do ensino fundamental (com direito ao uniforme da série NGE) que antes faziam músicas juntas se despedindo dada a evacuação de uma cidade que é afetada pelos acontecimentos da série original.

Apesar da curta duração, a animação tem direito a beijinho lésbico, e uma esperança das personagens voltarem a se encontrar. Mas será que o final do vídeo dá esperança?

A qualidade da animação é impressionante, se pensar que foi feita por uma equipe tão pequena. Apesar da mesma ser feita exclusivamente por CGs, o movimento geral das personagens não denuncia tanto o mesmo, a não ser quando fazem movimentos muito bruscos.

Fiquei tão impressionada que trago abaixo a animação legendada em inglês. Ficou ótima!! Destaque para o final tenso da música. (achei a música ótima, e tá bombando também na internet!)
terça-feira, 29 de setembro de 2015
Posted by Se-chan

Indicação: After Hours, de Nishio Yuuta

Olá a todos! O mundos dos mangás yuris está sempre nos apresentando boas novidades, seja entre originais ou fanworks dos mais variados. Um trabalho que começou a ser traduzido a algum tempo e vem chamando muito a atenção pelo seu clima diferenciado e a fuga dos clichês comuns ao gênero para elaborar uma trama muito mais realista sem deixar os traços de leveza de lado é After Hours, de Nishio Yuuta.

Plot



Asahina Emi era uma pessoa comum que um dia decidiu encontrar com um carinha em uma balada. As coisas não se saíram bem para ela, afinal o sujeito simplesmente não apareceu, porém ela acaba conhecendo Kei, uma jovem, mas experiente DJ. Esse encontro casual acaba se desenvolvendo (muito) bem, dando início à uma trama de relacionamento e cotidiano.

Não vamos entrar em muitos detalhes para não spoilar algumas coisas que do final do capítulo um em diante passam a fazer parte da estrutura geral do roteiro, ok?

Comentários

Desde de sua concepção, After Hours foge dos roteiros que costumamos ver nas antologias de yuri, à começar pela idade das personagens. Confesso, inclusive, que demorei algum tempo para acreditar que era uma obra japonesa (visto que a cada dia temos novos trabalhos vindos de países como Tailândia e Coréia do Sul com qualidade assombrosa). Afinal poucas são as obras e autores nipônicos que se destacam por trabalhar com personagens além da idade escolar (sendo Morishima Akiko uma exceção que, particularmente, conheço e admiro nesse aspecto).

Fora esse aspecto também temos o “realismo” das personagens e do enredo retratado na trama. Jovens mulheres com vidas ordinárias, lutando em seus caminhos para sobreviver e talvez alcançar seus objetivos. Kei, uma DJ que muito já se esforçou para chegar até o seu momento atual, que não é algo extraordinário, mas lhe garante certa estabilidade dentro de suas atividades. Emi, atualmente desempregada, um tanto perdida nas suas escolhas, mas que acaba tropeçando em um relacionamento positivo e nada idealizado, mas sim muito pautado na realidade.

A tradução para o inglês desse mangá, até o momento dessa postagem, está no quarto capítulo da série (um trabalho bem cuidado do grupo Sexy Akiba Dectetives Translations) e, até então, não tivemos qualquer sinal de que haverá algum tipo de reviravolta no ponto romântico do enredo. Não temos um vilão, ou um grande objetivo a ser alcançado. After Hours vem se mostrando como um slice of life legítmo, onde a graça está em apreciar cada pequeno aspecto das personalidades de Emi e Kei que vão se revelando com o tempo (como essa propensão a beber demais, Emi! Toma jeito, mulher!)



Enfim, nossos comentários foram rápidos, mas apenas porque não queremos estragar a diversão de cada um de folhear (virtualmente, fazer o que). Fica a nossa enorme recomendação a todos vocês para darem uma chance a esse mangá.

Até a próxima!

sexta-feira, 25 de setembro de 2015
Posted by Lilian Kate Mazaki

Cuidado com o Ship Bait! [Parte 01] - Quando se torce Errado

Quem nunca começou a ver uma série por que tinha um potencial de cenas com girls love? Todo mundo né? O problema é que muitas vezes (e quando digo muitas são a maioria) você não percebe aqueles pequeninos sinais. Uma ceninha com uma fala com duplo sentido, um sentido de "somos só BFFs", por exemplo. Acha que é normal, o autor está só escondendo o jogo. Mas não é verdade, você cometeu um erro.

Você caiu na isca. Isto é o ship bait (ou shipbaiting).
Essa série de postagens (inicialmente serão somente duas) é para mostrar alguns exemplos de ship bait. E nesta primeira parte, irei mostrar alguns "ships errados" que normalmente os fãs de girls love fazem durante séries.

Mas será que é nossa culpa? As vezes sim, mas como falei acima, quero mostrar dessa vez quando o autor faz a sacanagem de nos colocar uma armadilha ardilosa e nós, esperançosos, caímos direitinho na parada.

Não entendeu ainda? Talvez você até tenha visto alguma série inteira e não tenha percebido que caiu feito um patinho na armadilha. É melhor dar alguns exemplos?

Aviso, nessa postagem haverá spoilers, pois não dá pra dar exemplos só com "Ah, essa cena é legal, mas não dá certo por algo que não posso falar por que vai estragar a série". Seria mancada né?

Ah, não fique triste com esta postagem. Na próxima semana irá sair a versão alegre da mesma. Em vez dessa seção de cortar os pulsos de tristeza com nosso fracasso, terá muita felicidade dos casais que parecem que vão nos "dar bolo", mas que no final são uma gayzice só. (XD)

1º Exemplo:

Fate/Zero. Sim, Saber e Irisviel é simplesmente lindo. Todo mundo sabe, são maravilhosas e parecem uma rainha e seu cavaleiro juntas.

A Irisviel tem um rolo com o Kiritsugu, mas você não se importa, por que tem um clima liiiiiindo de Saber/Iris né? As cenas no carro, seja a Saber ou a Iris dirigindo. As cenas de lutas onde as duas combinam perfeitamente suas técnicas, as imagens oficiais que tem as duas MARAVILHOSAS juntas.....

Viu? Você caiu no bait. (E eu também.... fortemente)

Talvez até tenha percebido no meio da série, mas não se importou, por que as cenas com feelings Saber/Iris tinham muito mais foco e importância do que qualquer uma da Iris com o Kiritsugu. O problema, o GRANDE problema, é que a Irisviel é gamada no Kiritsugu. Não diga que não, ela é sim, e muito. E você quase corta os pulsos quando a Irisviel morre. E morre sorrindo pelos ideais do Kiritsugu.

Talvez para você tenha valido a pena ver a série, mas eu realmente fiquei magoada e não consigo gostar, por que eu cai na isca. (e não consigo, mesmo, gostar da série a partir do ponto onde a Iris morre...)

2º Exemplo:

Cross Ange. Sério, nem a combinação Nana Mizuki + Yukari Tamura me fez terminar esse anime. O bait era forçado e eu fugi enquanto pude (e depois de ver que as garotas viravam dragões).
Tudo bem, o início da história é ótima. A Ange é uma mimada e se transforma totalmente nos primeiros 10 episódios. É muito bom. O local só tem mulheres, é tudo na vibe bait controlado. Tem uns flertes e tals, mas nada forte. Como não tinha ninguém (ninguém = homem) para atrapalhar, tava de boa.

Até aparecer o Tusk.......... Bait e ainda joga na sua cara que a protagonista forte precisa de um homem para sobreviver. Por que de algum jeito ela sempre fica que nem uma retardada junto dele e precisa que ele salve ela. Pobre Angelese-sama....

3º Exemplo:

To aru Kagaku no Railgun (ou A Certain Scientific Railgun). Talvez seja o que mais me irrita.
A Misaka é super forte, independente, é agarrada pela Kuroko milhões de vezes e tem duas amigas super gays (Uiharu e Saten - DUVIDO que elas sejam bait...), mas tem o mesmo problema que a Ange. Não pode ver o maluquinho do Index (por favor, não faço o mínimo esforço para decorar o nome do.... #procura .... Touma), que fica uma tsundere retardada.

Tenho uma pena da Kuroko por gostar de uma garota tão demente quanto a Misaka. Sério, é uma das maiores decepções em animes EVER. Ela é badass, acaba com todo mundo, mas não sabe lidar com um garoto. Se ela gostasse dele, mas não virasse uma retardada na frente dele, tudo bem. Mas ela muda TOTALMENTE. Isso é muuuiiittooo errado. Por que autores acham que as garotas precisam ser burras para gostar de homem?! Se gosta, gosta. Não faça elas se transformarem em outro ser quando os vêem. (decepção u.u)




Bom, depois desses exemplos de desastre, até cansei.

O que acham desse grupinho de garotas fake yuri? E dessa mania desastrosa dos autores quererem chamar o pessoal só pro fanservice? O que? Você acha que esses exemplos não são bait? Por favor, dê sua opinião nos comentários ou em nossas redes sociais!

Ah! Não se esqueça de também comentar sobre suas decepções com outros ship bait! Quero mais exemplos para fazermos uma lista de "Não veja, é bait" para a segurança de todos! (XD)

Até logo! o/

Entre em contato por:

Possível adaptação de Citrus para Anime

Sim, você está lendo corretamente o título dessa postagem. Citrus tem uma possibilidade relativamente boa de ter um anime.

A notícia vem da editora japonesa Ichijinsha (especializada no público de mangá/anime), que em sua conta no Twitter revelou que o projeto estaria em processo de negociação com várias companhias para viabilizar a adaptação.

Apesar da boa notícia, até agora estão apenas na busca de parceiros para o projeto, e não há nenhum plano concreto ou data certa para uma evolução nesse plano.

O que resta agora é torcer para que mais um mangá que tem destaque no fandom tenha uma adaptação. E não vamos esquecer que na próxima temporada haverá a terceira temporada de Yuru Yuri!
Tweet da notícia.
Sobre Citrus:

Criado por: Saburo Uta
A estilosa Yuzo não esperava que seu primeiro dia na nova escola (que entrou após sua mãe casar) fosse do jeito que foi: com regras super rígidas e conservadoras, ela ganha um foco negativo pelo seu cabelo loiro-pintado e suas roupas foras do padrão.
Assim, ela encontra Mei, garota exemplar, séria e presidente do conselho estudantil. O mais incrível de tudo é: Mei na verdade é sua nova meia-irmã, filha de seu padastro.
Como será a relação das duas meninas?


Entre em contato por:
Além de falar sua opinião nos comentários da postagem, por favor!

Referências:
quarta-feira, 23 de setembro de 2015
Posted by Se-chan

Korra e Asami são "Haruka e Michiru" do Brasil?

Olá pessoal!
Se-chan voltando com um texto meio complicadinho, mas juro que vou tentar não deixar o texto chato e só crítico, ok?

Como falei em uma postagem anterior, A Lenda de Korra (The Legend of Korra), spin-off de Avatar - A Lenda de Aang/O último dobrador de Ar, esteve no ar pela SBT e teve uma repercussão um tanto polêmica quanto há uma postagem do site UOL, que continha alguns erros quanto as informações da série (o que revoltou os fãs pela falta de pesquisa).

Isso não deveria ser um problema, se a SBT não tivesse (infelizmente) cortado cenas da série para amenizar a mesma para as crianças (eu diria para os pais das crianças não ficarem chocados). Além disto, a série foi parada no estado de São Paulo ao final da terceira temporada, assim cortando todo o desenvolvimento final de Korra do Livro 4. Aqui no Rio Grande do Sul, onde moro, parou muito antes a exibição. Para quem conhece, a série foi interrompida em um episódio da segunda temporada, quando Korra decide que iria treinar com seu tio Unalaq (sim, não terminou nem a metade da segunda temporada). Assim cortando um dos episódios mais icônicos da série, onde conta a história do primeiro Avatar (o querido do Wan~~ *o*).

Os cortes que apareceram aqui no RS foram na primeira temporada, onde há alguns choques e dobras de sangue em personagens, o que deve ter sido considerado muito pesado para o público alvo do canal. Já em São Paulo, me informei com o ótimo pessoal do Mundo Avatar, e eles contaram em sua página no Facebook (eles fizeram postagens falando de cada episódio exibido pela SBT) que cortaram muitas coisas da terceira temporada, como a cena onde Korra foi sequestrada e amarrada pelo exercito do Reino da Terra, além de tirar uma das principais cenas Korrasami da série, onde Korra está meditando e Asami apenas fica ao seu lado, a observando. Uma cena que para as crianças não iria representar nada. Provavelmente nem iriam lembrar da cena no final da série.
Além disso, o Mundo Avatar me relatou que a SBT falou sim para o público no Bom Dia & Cia que a história de A Lenda de Korra era somente até o final da terceira temporada (com a protagonista de cadeira de rodas chorando?! É ISSO MESMO PRODUÇÃO?! Definitivamente ia ser louco se fosse verdade.. XD). Achei uma atitude hipócrita nessa era digital, convenhamos. "Montar" um final para a série, achando que a protagonista sofrer um ataque muito forte e acabar paraplégica é melhor do que mostrar o início de uma jornada amorosa? Ok...


Você pode estar pensando horrores da SBT neste momento, mas digo que poderia ser pior. Felizmente hoje em dia quem ficou interessado na série vai procurar por informações na internet e verá facilmente que o canal aberto não passou o conteúdo completo da série. Além de quem tem TV a cabo ter conseguido ver A Lenda de Korra sem cortes pela Nickelodeon, em um horário que condiz com o conteúdo, aos sábados e domingos às 22:30.

Mas nem sempre a vida de quem shippa yuri foi fácil, não é? E olha que o Brasil não é dos piores nesse quesito. Sabem do que estou falando?

Talvez você não saiba, mas uma das principais séries shoujo (que visa público feminino) da história dos animes sofreu nas mãos estrangeiras. E é parcialmente pelo mesmo motivo que The Legend of Korra: a amostra (discreta e delicada) de um romance entre mulheres. Estou falando de Sailor Moon.

Você ficou brabo com as cenas de Korra e Asami tendo sido um pouco cortadas da série? Possivelmente não sabe, mas a história de Haruka e Michiru é um bem mais complicada que nosso caso brasileiro, e chega a envolver a própria dublagem das garotas da série em vários países durante os anos 90 e início dos 2000, onde não havia tanta informação online como atualmente.

E quando digo vários, são vários mesmo.... Infelizmente.

O exemplo mais conhecido foi nos Estados Unidos, onde Haruka e Michiru (chamadas lá de Amara e Michelle) tiveram suas falas alteradas para que as duas fossem primas! Sim, primas. O problema é que quem conhece Sailor Moon, sabe que há VÁRIAS cenas românticas entre as Sailors Uranus e Neptune. E nem todas estas cenas foram cortadas na versão americana. Portanto, já está imaginando o que isto causou, não é mesmo? Além da polêmica envolvendo um possível relacionamento homossexual em uma série feita para o público feminino infanto-juvenil, Haruka e Michiru ficaram também marcadas pelo clima de incesto. Parabéns EUA. Quiseram diminuir a polêmica e só pioraram a situação. (XD) 
Felizmente, a Viz Media & Studiopolis está em processo de redublagem da série e deixará as personagens com seu relacionamento saudável amostra sem cortes em 2016. (Aeeee! \o/) E você pensa "Então foi só nos Estados Unidos o rolo, não?". Não, não foi só na terra do tio Sam o problema.

Na França, país que todos acham que é super liberal (e na realidade não é tanto assim), Haruka simplesmente ... se fazia de homem para esconder a identidade de Sailor Uranus! Sim, isso mesmo. Não sei exatamente como ficou retratado na série na dublagem, mas imagino algo parecido com as Sailors Starlights. Apesar de que deve ter ficado confuso, e não muito bem esclarecido que Haruka era mulher na verdade. Até por que tem muitos vídeos divulgando que ela é mulher na verdade. Não é tão ruim (sou uma pessoa otimista? XD), mas realmente imagino como deve ter sido extremamente bizarro para quem depois foi procurar pela série online e descobriu que Haruka era uma mulher. (dou risada só de imaginar! XD)
Por isto, jovem fã de A Lenda de Korra, não fique tão triste. A série foi cortada sim, o que é uma lástima, mas pelo menos houve uma divulgação em TV aberta, o que é uma coisa muito rara hoje em dia, onde não temos animes passando nesses canais.

A Lenda de Korra, na minha opinião, é uma série para público a partir dos 10-12 anos, e não para ser colocada junto com Bob Esponja e Tom e Jerry, que apesar de sim conterem algumas piadas maliciosas, não contém o nível de complexidade e maturidade no enredo que The Legend of Korra tem. A própria Nickelodeon americana retirou a série de sua grade de exibição na TV por causa da violência e a passou online a partir da metade final do livro 3. Isso mostra que foi realmente um erro de estratégia e marketing do canal aberto para/com a série, infelizmente.
A mídia televisiva ainda tem muito o que aprender. Infelizmente, os canais abertos ainda acham que animações são sempre para o público infantil, mesmo que tenham um conteúdo adulto. Por isto o corte, infelizmente, em A Lenda de Korra. Se passassem a animação em um horário "adequado" para o real público alvo, como a Nickelodeon o fez no Brasil, talvez não houvesse problema nenhum de cortes. Como ocorreu este erro, infelizmente, A Lenda de Korra pode sim ser colocado como um paralelo ao caso de Sailor Moon fora do Brasil.

Mesmo assim, não tivemos nenhuma alteração na história (tirando o fato de não exibirem o livro 4). Pode não ser tudo de bom, mas com certeza poderia ter sido pior. Sem alteração nas falas, tenho certeza de que A Lenda de Korra conseguiu conquistar muito mais fãs nesta exibição na SBT.

E, quem sabe um dia, algum canal aberto não o passe num horário melhor e sem cortes?

Não custa nada acreditar!

[Leitura de Mangá] Lily Love Parte 01: A Linha Vermelha do Destino no Adult Life Universitário

Olá pessoal!!
Tudo bem?

Se-chan voltando a vida sem internet seguida de vadiagem! (XD)
Que tal aproveitar esta sexta-feira e ler uma postagem do KaS? E melhor ainda, sobre um adult life muito legal!

Estou falando do mangá tailandês Lily Love. Você se pergunta "mas é mangá?". Eu digo que sim, por que a própria autora se referencia assim a obra. Estou falando da autora Ratana Satis, que posta em tailandês no seu Facebook, mas que responde em inglês também. Não tenham medo de falar com ela, pois ela foi super prestativa e autorizou nossa postagem! (\o/) Lily Love está sendo produzido desde 2014, e ainda está em andamento. Aproveitem para após esta postagem procurarem, vale a pena. (=D)

Lily Love começa com Donut (Donath no original, mas é de Donut mesmo XD) tendo um encontro inesperado na lavanderia do prédio onde acabou de se mudar para cursar a faculdade. E este encontro foi nada mais, nada menos, do que com Mew (a qual Donut se referencia como P'Mew, algo como Mew-senpai), que é do segundo ano da faculdade.

Mew, super comunicativa, puxa papo com a introspectiva e nerdizinha protagonista, que nas primeiras páginas havia visto no horoscopo que teria um encontro inesperado (ela é aquariana, para quem ficou curioso), mas que pensou que era impossível encontrar uma alma gêmea neste mundo e tals (olha a linha do destino calando a boca dela! XD).

De repente, Mew pergunta se poderia ir para o quarto com Donut!!! (plot twist!?!?)

Calma gente, a garota de cabelos compridos apenas esqueceu o passe do elevador (eu realmente não entendi como ela chegou na lavanderia então... XD). Mas foi o bastante para a Donut ter um mini infartinho. O destino de novo apareceu quando elas vêem que estão no mesmo andar do prédio e, além disso, sendo vizinhas! (caraca, parabéns para essa linha vermelha do destino. Tá forte o negócio heim! XD)

Donut secando a Mew sem nem entender que está secando! (Noob! XD)
Depois disso, Donut estava saindo do apartamento no dia seguinte e vê que Mew deixou um presente para ela melhorar de um resfriado que ela havia percebido que a mais baixa havia pego. No meio de uma conversa com as colegas de turma, Donut é questionada sobre o gosto pessoal por garotos, ou se ela era uma tomboy (XD).

A seguir, nossa protagonista está chegando no prédio onde mora e vê Mew parada de um jeito suspeito, e quando a pergunta sobre isto, ela mostra um hamster (fofissimo!) que ela havia achado no lixo. O problema é que é os dormitórios não permitem que os estudantes tenham animais de estimação, então elas dão um jeitinho de entrarem sem causarem suspeita para a zeladora do prédio.

No final, Mew faz Donut prometer que não vai contar nada para ninguém e que este será o "pequeno segredo delas". (^.~)

E assim acaba os dois primeiros capítulos de Lily Love.


Espero que tenham se interessado, pois eu acho um mangá super legal. Tem uma evolução da interação delas interessantíssima. Para quem está querendo ler, podem acompanhar a versão em inglês pelo Three Musqueerteers, ou em português pelo Resurrection Scan.

Então, por enquanto é isto, mas esperem mais Se-chan aqui por que eu estou livre, leve e solta (de trabalho gente.... XD). Se tiverem alguma sujestão de tema, ou uma opinião, não se acanham, mandem um comentário, ou falem conosco nas nossas redes sociais!

Até logo! o/

Translate to your language:

Seguidores

Parceiros

Parceiros | Yuri

Kiyoteru Fansub
Gokigenyou
Moonlight Flowers
S2 Yuri
Yuri Licious
Yuri Private
Yuri Zone

Parceiros | Blogs e Sites

Anikenkai
Chuva de Nanquim
Elfen Lied Brasil
Gyabbo!
Jwave
MangaBa
Mithril
Mundo Mazaki
nbm² - Nobumami
Netoin!
Shoujismo
Você Sabia Anime?

Arquivo do Blog

Popular Post

- Copyright © | Kono - Ai - Setsu | - fonte para yuri, shoujo-ai e girls love desde 2007 -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -